Entrevista: Li Arruda - Agora sim Casada

sexta-feira, 13 de março de 2015 Postado por: Maria Carolina Costa 1 COMENTÁRIOS

Eu estou MUITO feliz! É muito bom quando pensamos em algo e conseguimos por em prática, e estou muito feliz porque tudo o que faço aqui neste blog, faço com o maior amor, porque simplesmente amo escrever. E quando temos alguma ideia e conseguimos coloca-la em prática é tão gratificante.


Pois bem, como vocês leram no título, este post se trata de uma entrevista (minha primeira entrevista, que amor! *-*). Como muitos sabem, sempre sonhei em ser jornalista e um dos meus traços mais fortes é o fato de ser curiosa, perguntadeira rs rs. Daí que decidi unir o útil ao agradável, procurar pelas blogueiras que mais admiro e entrevistá-las!!


E para estréia escolhi uma blogueira que tem tudo a ver com o universo em que vivo, casamentos! A entrevistada de hoje é a Li Arruda, dona do blog Agora sim Casada, e ela vai contar para gente um pouquinho sobre a vida de casada, o blog e sua festa de casamento. Espero que vocês gostem!


Noiva-antes-64



Em que momento você decidiu criar o blog?


Eu sempre quis ter um blog. Bem antes do casamento criei um voltado para o público feminino, mas não levei adiante. Já o noivado foi uma das fases mais corridas da minha vida, por isso nem passou pela minha cabeça ter um blog naquele momento. Decidi criar o "Agora Sim, Casada" um mês após o casamento, em junho de 2011, quando as coisas já estavam mais tranquilas. É por isso que dei a ele esse título de alívio, rs.



O blog lhe ajudou de alguma maneira, durante os preparativos do casamento? Como?


Não, porque ele ainda não existia. Mas lembro de ter me inspirado em muita coisa que vi na internet.



Como foi a transição da vida de solteira para a vida de casada? Houve alguma dificuldade?


Foi maravilhosa e difícil ao mesmo tempo. Eu estava realizada por ter me casado com alguém especial, que amo demais, e aliviada por ter passado por todas as dificuldades dos preparativos da festa e da reforma do apartamento, que pareciam não ter fim. Por outro lado, estava saindo da casa dos meus pais pra morar sozinha com alguém que recebeu uma criação diferente da minha e que, em alguns pontos, pensava e agia diferente de mim. Na primeira semana, chorei baixinho antes de dormir porque senti falta da minha família (e olha que moramos no mesmo bairro!). Antes eu chegava em casa, encontrava a TV ligada com volume alto (meu pai só assiste TV assim) e ficava conversando com minhas irmãs até pegar no sono. De repente, minha rotina mudou. Agora eu estava morando num apartamento sem barulho de gente, onde encontrava a TV quase sempre desligada e apenas uma pessoa me esperando. Acho que esta foi a primeira mudança significativa, mas eu me adaptei rapidinho.



Em relação ao conteúdo do blog, como foi continuar a gerar conteúdo após o casamento?


Não sei se eu teria conteúdo relevante pra gerar no meu pré-casamento, sabe? Acho que pra mim foi bem mais natural falar sobre o meu dia-a-dia como mulher casada, das coisas que estava aprendendo com o casamento e compartilhar minhas experiências, porque sei que, às vezes, o que parece tão simples pra mim, que já vivenciei isso, é algo novo pra quem está passando por essa fase agora. Mesmo assim, hoje, quando recebo e-mails de leitoras pedindo pra falar sobre determinado assunto, sempre me pergunto se o que irei escrever realmente poderá ajudá-las.



Como você se divide para dar conta da casa, marido, trabalho e ainda administrar o blog?


Em maio iremos completar 4 anos de casados, e pra ser bem sincera, acho que nunca dei conta de tudo, rs. Durante a faculdade eu saía de casa de manhã cedo (pra trabalhar) e só voltava por volta das 23h (depois da aula). Aos sábados fazia faxina, dedicava um tempo ao marido e, quando tinha inspiração, postava algo no blog. Já o domingo nós dividimos entre igreja e família. Hoje as coisas mudaram bastante. Em setembro (2014) eu pedi demissão do emprego pra me dedicar à monografia e depois que conclui o curso, em dezembro, decidi não voltar a trabalhar em nenhuma empresa, então fiquei com tempo de sobra em casa (como freelancer). Em relação ao blog, não me cobro muito, sabe? Posto quando tenho vontade porque quero que ele continue sendo prazeroso pra mim. Talvez um dia ele seja minha fonte de renda, mas hoje é apenas um hobby. Eu e meu marido temos um projeto bem maluco pra esse ano, que mudará completamente nossa rotina e, consequentemente, a rotina do blog (irei postar mais vezes). No mês que vem irei compartilhar tudo lá no blog, mas já adianto que, por enquanto, não iremos engravidar, rs.



Cerimônia-18


Se pudesse mudar algo em sua festa de casamento, você mudaria? Se sim, o quê?


Com certeza. Algumas de nossas decisões sobre a festa foram tomadas com base na verba que tínhamos, então abrimos mão de uma equipe de filmagem profissional, uma boa iluminação no palco onde a banda tocou, lembrancinhas para os convidados e uma porção de coisas. Além disso, meu gosto mudou um pouco. Quando me casei, era moda usar sapato colorido, então usei um pink (minha cor favorita desde que existo). Hoje eu usaria algo mais clássico... Talvez um vestido com renda e um sapato branco ou rosa envelhecido.



Você acredita que esse tempo de casada, fez algo mudar em você? Se sim, o quê?


Sim. Eu passei a ver o casamento com outros olhos. Quando a gente é adolescente, tudo parece conto de fada. Mas o que as novelas, filmes e livros mostram é pura utopia. Talvez seja por isso que tantos casamentos acabam. Eu sabia que casamento era coisa séria, pra vida toda, mas ainda não tinha entendido na prática que ele não é baseado só em sentimento, aliás, o amor não é um sentimento. Tem dias que a gente chega em casa e não suporta a ideia de encontrar camisas penduradas nos sofá... Todo mundo acorda com mau hálito, passa por fases estressantes, tem mau humor. Isso é coisa de gente normal. Ao longo dos dias e anos, os nossos sentimentos variam: alegria, tristeza, paixão, raiva, medo... Só o amor que não muda. Por isso ele não é um sentimento, é uma escolha. Eu escolhi amar o meu marido mesmo quando ele me aborrecer. E ele também, ainda bem! rs



Qual o melhor conselho para dar à uma pessoa? Independente de quem seja, sexo, idade, nacionalidade etc.


Meu conselho pra você, seja quem for, é que não fique parado(a). Deus te criou com um propósito maior do que os seus próprios propósitos. Descubra qual é e comece sua jornada o quanto antes, porque a vida é curtinha e só tem sentido quando estamos fazendo o que devemos fazer.






Eu acho muito complicado falar sobre a vida à dois, porque as pessoas romantizam muito, quando nos casamos pensamos em algo e na realidade é completamente diferente (me decepcionei ao descobrir que a realidade é diferente dos filmes rs rs). Não existe felizes para sempre, e a definição de que amor é uma escolha é perfeita, porque nem sempre estamos felizes e radiantes, mas isso não significa que o amor acabou.


Na minha concepção, hoje, casar é iniciar uma jornada louca de recomeços e de negar a si mesmo. Deixar de lado o egoísmo, deixar de falar eu, e falar somente nós. É difícil, mas é tão bom, tão gratificante, enriquecedor. Costumo dizer que depois que casei, foi como se eu tivesse subido uns 50 degraus de uma vez, porque entre tantas outras coisas, o casamento nos proporciona crescimento, seja ele pessoal, profissional ou espiritual.


Pode até ser difícil, mas quando duas pessoas decidem se amar e lutar por esse amor, não há obstáculos que prevaleçam. E digo mais, quando Deus está no centro de tudo, pode até ser difícil, mas sempre há a certeza de que dará tudo certo!


Li, sei que já disse isso, mas novamente, muitíssimo obrigada por ter separado um tempinho para responder as perguntas. Sabemos que uma das únicas coisas que custa caro e é irrecuperável, é o nosso tempo. Me sinto honrada por ter topado participar desta entrevista.


Gostou da entrevista de hoje? Então aguarde que na próxima sexta tem mais! Fique à vontade para comentar e caso tenha sugestão de alguma blogueira que você gostaria de conhecer um pouco mais, manda pra mim que vou fazer o possível para entrevistá-la!


E claro, não se esqueçam de visitar o blog da Li e encher de corações nos comentários!